domingo, março 10, 2013

Acusado de matar Mércia Nakashima vai a júri nesta 2ª


Brasil terá 3º julgamento de um caso grande repercussão em menos de um mês


Começa nesta segunda-feira, no Fórum Criminal de Guarulhos (Grande São Paulo), o júri popular do advogado e policial militar reformado Mizael Bispo de Souza, 43 anos, acusado de ter matado a ex-namorada, a advogada Mércia Nakashima, 28 anos, no dia 23 de maio de 2010. O caso chocou o País, pois a vítima desapareceu naquele dia após deixar a casa dos avós, em Guarulhos, e foi encontrada morta 19 dias depois, em 11 de junho, em uma represa no município de Nazaré Paulista (interior do Estado).

O julgamento de Mizael será transmitido ao vivo pela TV e pelo rádio, em uma iniciativa inédita do Tribunal de Justiça paulista. Este é o terceiro julgamento de um caso de grande repercussão e comoção popular em menos de um mês: na última sexta-feira (8), o goleiro Bruno Fernandes de Souza foi condenado a 22 anos de prisão pela morte de Eliza Samudio; já no dia 22 de fevereiro, o publicitário Gil Rugai pegou 33 anos de prisão pela morte do pai, o empresário Luiz Carlos Rugai, e da madrasta, Alessandra de Fátima Troitiño.

De acordo com a promotoria, Mizael e Mércia namoraram durante quatro anos, mas o réu não se conformava com o fim do relacionamento amoroso e a matou por vingança e ciúmes. Ele, que ficou foragido por mais de um ano, se entregou em fevereiro de 2012, mas sempre negou a acusação e chegou a afirmar que a tratava como "uma rainha".

A defesa sustenta que as provas contra ele são falhas e a Polícia Civil não seguiu outras linhas de investigação, e tentará comprovar sua inocência.  Durante o período em que ficou preso, o réu escreveu um livro, de 56 páginas, em que se defende das acusações e diz ter sido vítima de perseguição da Promotoria e da imprensa: intitulado "Mizael Bispo de Souza – Na Cova dos Leões".


Para provar que Mizael é culpado, a acusação se baseará em quatro elementos que incriminam o advogado: o motivo do crime, já que ela rejeitava manter um relacionamento sério com ele; as ligações telefônicas, que o colocam no "rastro" da vítima naquele dia; o rastreador do veículo dele, que aponta que o réu estaria na região onde o crime ocorreu; e os sapatos dele, cujo laudo da perícia encontrou vestígios de sangue, partículas ósseas, partículas do projétil de arma de fogo e restos de uma alga típica de áreas de represa.

O júri

Marcado para começar às 9h, o julgamento começará com a escolha dos sete jurados, que ao final do processo votarão pela condenação ou absolvição do réu. Neste período, os jurados escolhidos devem ficar isolados e sem notícias externas. Preso desde fevereiro do ano passado no Presídio Militar Romão Gomes, em São Paulo, Mizael retornará todas as noites para a prisão. O presidente do júri é o juiz Leandro Jorge Bittencourt Cano.

O advogado e policial militar reformado Mizael Bispo de Souza é acusado de matar a ex-namorada Mércia Nakashima Foto: Vagner Campos / Futura Press


Ao todo, 11 testemunhas foram convocadas para depor, sendo cinco de defesa, cinco de acusação e uma de juízo. Entre as testemunhas convocadas estão o irmão da vítima, Márcio Nakashima, que falará sobre o relacionamento conturbado entre Mizael e Mércia; peritos que participaram da elaboração dos laudos técnicos; o delegado Antonio de Olim, que conduziu as investigações; entre outros.

Além de Mizael, o vigilante Evandro Bezerra da Silva também foi denunciado por participação no crime (ele teria o auxiliado na fuga), e seu julgamento ocorrerá em julho. 

Fonte: Terra

Entre em contato

Nome

E-mail *

Mensagem *