Por Fernando dos Santos Esteves Fraga Toda e qualquer pessoa pode ser sujeito ativo ou passivo...

Personalidade e da Capacidade: Comentários do art. 1º do CC

By | quinta-feira, julho 11, 2013
Por Fernando dos Santos Esteves Fraga

Toda e qualquer pessoa pode ser sujeito ativo ou passivo de uma relação jurídica. Entretanto, mister se faz distinguir a capacidade de direito ou de gozo da capacidade de fato ou de exercício. A primeira refere-se à
capacidade de a pessoa ser titular ou sujeito de direitos; todos a têm. Quanto à segunda, é a capacidade que tem a pessoa de agir por si mesma nos atos da vida civil, sendo adquirida pela emancipação ou maioridade. É preciso meditar sobre o vultoso significado da adoção do pacto no País. Bastaria lembrar, a propósito, pela vistosidade de suas consequências, que seu art. 2º modificou até mesmo o conceito de pessoa anteriormente versado no art. 4º do Código Civil. Atualmente, pessoa, para o direito posto brasileiro, é todo ser humano, sendo também usada tal nomenclatura para as pessoas jurídicas.

O assunto deve ser analisado à luz da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 e da Convenção Americana de Direitos Humanos (Pacto de São José da Costa Rica), promulgada pelo Decreto no 678, de 6 de novembro de 1992. Inicialmente, na solução de conflitos entre regras do direito interno e normas internacionais, conforme as teses da teoria monista, estas prevaleceriam sobre aquelas, não podendo ser alteradas por leis supervenientes. Na hipótese de ratificação de tratado internacional, este teria primazia sobre a legislação interna.

Ocorre que, com o julgamento do Recurso Extraordinário nº 80.004, a partir de 1º de junho de 1977, o Supremo Tribunal Federal adotou a teoria monista temperada, segundo a qual, em caso de conflito, prevalece a norma posterior, ou seja, o Supremo Tribunal Federal passou a dar o mesmo tratamento (nível hierárquico) à lei e ao tratado. 2 Desta forma, encontramos duas correntes. A primeira defende a supremacia da Constituição frente às demais normas do ordenamento jurídico. A segunda, representada pelos internacionalistas. 3 pugnam pelo predomínio dos tratados dos direitos humanos sobre os dispositivos constitucionais, ou seja, o direito internacional dos direitos humanos encontrase estruturado em uma esfera de supralegalidade que prescinde de eventual assimilação jurídica formal por parte dos Estados
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial