João Acácio Pereira da Costa, conhecido como o “Bandido da Luz Vermelha”, em foto de 1971, na prisão. Ele foi acusado por quatro assassi...

Alguns crimes que chocaram o Brasil

By | sexta-feira, setembro 20, 2013
viuaki-001
João Acácio Pereira da Costa, conhecido como o “Bandido da Luz Vermelha”, em foto de 1971, na prisão. Ele foi acusado por quatro assassinatos, sete tentativas de homicídio e 77 assaltos. Condenado a 352 anos de prisão, ficou no cárcere por 30 anos, entre agosto de 1967 e agosto de 1997. Menos de seis meses após ser solto, em janeiro de 1998, foi morto após se envolver em uma briga em Joinville (SC).

viuaki-002
Julgamento de Raul Fernando do Amaral Street, o “Doca Street”, condenado pela morte da socialite Angela Diniz em dezembro de 1976, com quem tinha um relacionamento amoroso. Doca Street foi julgado duas vezes pelo crime: na primeira ocasião, em 1980, foi inocentado, sob o argumento de que agiu em defesa de sua honra, já que teria sido traído. A decisão causou revolta popular, e o julgamento foi remarcado para o ano seguinte. O réu foi condenado a 15 anos de prisão. Após cumprir a pena, Doca Street lançou o livro “Mea Culpa”, que conta sua versão para os fatos.

viuaki-003
Coronel da reserva da PM e deputado estadual Ubiratan Guimarães (PTB), em 2006, durante julgamento em São Paulo (SP). Mais de 13 anos após o episódio conhecido como massacre do Carandiru, que resultou na morte de 111 presos, o coronel que chefiou a invasão na Casa de Detenção saiu absolvido do Tribunal de Justiça. Vinte desembargadores anularam a pena de 632 anos, determinada pelo 2º Tribunal do Júri, em 2001, e inocentaram o coronel. Ele foi morto em sua casa na capital paulista em 2006, em crime cujas circunstâncias não foram esclarecidas.

viuaki-004
Caso Daniella Perez: o acusado pela morte da atriz, o ator Guilherme de Pádua, chega ao Tribunal do Júri para o julgamento, em 1997. Ele e a ex-mulher, Paula Nogueira Thomaz, foram condenados a 19 anos e seis meses de prisão. Cumpriram um terço da pena e deixaram a prisão em 1999.

viuaki-005
Caso Favela Naval: policiais militares deixam o presídio Romão Gomes após absolvição; oito PMs chegaram a ser condenados, em 1998, por crimes cometidos durante operação na favela Naval, em Diadema (Grande São Paulo), em março de 1997. Em 1999, desembargadores do Tribunal de Justiça anularam o júri que condenou a 65 anos de prisão o soldado Otávio Gambra, o Rambo, que atirou e matou um morador da favela durante a operação. Em novo julgamento, ele foi condenado a 47 anos, mas teve a pena revista para 15 anos. No fim, Rambo ficou nove anos na cadeia.

viuaki-006
O motoboy Francisco de Assis Pereira, o “Maníaco do Parque”, foi condenado, em júri popular realizado em 2002, a 121 anos e oito meses pela morte e estupro de sete mulheres na Grande São Paulo. Ele foi detido em 1998.

viuaki-007
Suzane von Richthofen deixa o 89º Distrito Policial, em julho 2006, para o julgamento no Fórum da Barra Funda, em Sao Paulo (SP). Ela e os irmãos Daniel e Cristian Cravinhos foram condenados a 39 anos de prisão pelo homicídio dos pais de Suzane, ocorrido em 2002.

viuaki-008
O promotor de Justiça Thales Ferri Schoedl (centro) chora ao ser absolvido, por unanimidade, em 2008, no julgamento do assassinato de Diogo Mendes e pela tentativa de assassinato de Felipe Siqueira Cunha. No dia 30 de dezembro de 2004, Thales participava de um luau na praia de Bertioga (SP) quando um grupo de rapazes teria mexido com sua namorada. O promotor discutiu com eles e, em seguida, sacou uma arma e fez vários disparos.

viuaki-009
O casal Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá foi condenado, em 2010, pela morte de Isabella Nardoni, 5. A menina foi jogada na noite de 29 de março de 2008 do sexto andar de um edifício na zona norte de São Paulo. O pai Alexandre e a madrasta Anna foram condenados a 31 anos e 26 anos e oito meses, respectivamente.

viuaki-010
Lindemberg Alves, durante julgamento no fórum de Santo André (SP), em fevereiro de 2012. Ele foi condenado a 98 anos e 10 meses de prisão pela morte de Eloá Pimentel e mais 11 crimes cometidos em 2008. A adolescente de 15 anos, ex-namorada de Lindemberg, foi mantida refém por ele por cerca de cem horas até ser baleada.

viuaki-011
Elize Araújo Kitano Matsunaga, 38, ex-garota de programa e ré confessa do assassinato do marido, o diretor-executivo da Yoki, Marcos Kitano Matsunaga, 42. A vítima foi morta e esquartejada.

viuaki-012
O jornalista Tim Lopes, da TV Globo, ganhador do Prêmio Esso em 2001 pela série “Feira das drogas”, veiculada no Jornal Nacional, foi sequestrado, torturado e morto por traficantes em 2 de junho de 2002.

viuaki-013
A missionária norte-americana Dorothy Stang, conhecida pelo trabalho junto a pequenos agricultores, foi assassinada com seis tiros em Anapu (PA), em 12 de fevereiro de 2005.

viuaki-014
Os estudantes Liana Friedenbach, 16, e Felipe Silva Caffé, 19, foram mortos na região de Embu-Guaçu (SP), onde estavam acampando. Cinco pessoas foram presas pelo crime: Paulo César da Silva Marques, Antonio Matias de Barros, Antônio Silva, Aguinaldo Pires e um adolescente de 16 anos.

viuaki-015
Em 7 de abril de 2011, a Escola Municipal Tasso da Silveira foi invadida pelo ex-aluno Wellington Menezes de Oliveira, que abriu fogo contra os alunos e se matou em seguida. No massacre, 11 crianças morreram e 13 ficaram feridas.

viuaki-016
A advogada Mércia Nakashima desapareceu em 23 de maio de 2010. Seu carro foi encontrado em uma represa de Nazaré Paulista no dia 10 de junho daquele ano e seu corpo foi localizado no dia seguinte. Mizael Bispo de Souza, ex-namorado de Mércia, foi condenado a 20 anos de prisão pelo crime em 14 de março de 2013. Evandro Bezerra da Silva, também acusado de participação no homicídio, foi condenado a 20 anos de prisão por participação no crime.

viuaki-017
Ademir Oliveira Rosário, conhecido como “Maníaco da Cantareira”, estuprou e matou dois adolescentes na zona norte de São Paulo, em setembro de 2007. Os corpos dos irmãos Josenildo José e Francisco Ferreira de Oliveira Neto, de 14 e 15 anos, respectivamente, foram encontrados na mata da Serra da Cantareira. Em abril de 2012, Ademir foi condenado a 57 anos de prisão.

viuaki-018
No dia 12 de julho em 2000, Sandro Barbosa do Nascimento (foto) sequestrou o ônibus 174, que fazia a linha Gávea-Central, no Jardim Botânico, na zona sul do Rio de Janeiro. Ele manteve passageiros como reféns por mais de seis horas. O sequestrador usou a professora Geísa Firmo Gonçalves, uma das reféns, como escudo para sair do ônibus. Quando estava prestes a se render foi surpreendido por um soldado, que estava armado com uma metralhadora e atirou na direção de Sandro, atingindo Geísa.

viuaki-019
O ex-tesoureiro de campanha de Fernando Collor, Paulo Cesar Farias, o PC Farias, foi acusado de corrupção passiva no governo Fernando Collor. O empresário e sua namorada, Suzana Marcolino, foram encontrados mortos no quarto da casa de praia de PC, em Guaxuma, na madrugada de 23 de junho de 1996. Quatro ex-policiais militares foram acusados de co-autoria de homicídio no caso, mas foram absolvidos, ficando o real autor do crime ainda desconhecido.

viuaki-020
Os pais do menino João Hélio Fernandes Vieites, 6, na missa de sétimo dia do garoto, que morreu em 7 de fevereiro de 2007 após um assalto. O bandido roubou o carro da mãe de João Hélio, que ficou preso pelo cinto de segurança e foi arrastado por 7km. Em 30 de Janeiro de 2008, a oito dias de completar um ano da morte de João Hélio, quatro dos cinco acusados pelo crime que abalou o país, foram condenados por latrocínio, combinado com o artigo 9º da Lei de Crimes Hediondos, a penas que variam de 39 a 45 anos de prisão. Somadas, as penas totalizam 167 anos de reclusão.

viuaki-021
A engenheira Patrícia Amieiro Franco, 24, desapareceu em 14 junho de 2008, depois de sofrer um acidente automobilístico na saída do túnel do Joá, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro. A polícia nunca encontrou o corpo da engenheira. Quatro policiais militares são acusados de homicídio qualificado e ocultação do corpo. Os policiais militares suspeitos da morte da engenheira irão a júri popular.

viuaki-022
O publicitário e ex-seminarista Gil Rugai (esq.) é acusado de matar o pai, Luiz Rugai, 40, e a madrasta, Alessandra, 33, na casa onde moravam, em Perdizes, zona oeste de São Paulo. O crime ocorreu em 28 de março de 2004. Gil Rugai foi condenado pela morte do pai e da madrasta a 33 anos e 9 meses de prisão em regime fechado, mas ele poderá recorrer em liberdade.

viuaki-023
Jorge Negromonte, 50, e Jéssica Camila, 22, acusados, junto com Isabel Cristina, 51, de matar, esquartejar e praticar canibalismo com duas mulheres em Guaranhuns (PE), em 2012. O trio será julgado por homicídio quadruplamente qualificado (motivo fútil, dificuldade de defesa da vítima, meio cruel da execução e asseguramento do crime de incapaz cometido anteriormente) e por ocultação de cadáver.

viuaki-024
Hildebrando Pascoal, ex-deputado federal e ex-coronel da Policia Militar estadual, 60, foi acusado de comandar um grupo de extermínio na década de 90 e de autorizar a morte de um homem usando uma motosserra. Preso desde 1999, ele tem vivido uma rotina de idas e vindas entre o presídio e o hospital, em virtude da saúde debilitada. Em Setembro de 2009, o Tribunal do Júri do Acre sentenciou Hildebrando a 18 anos de prisão. Para o júri, Hildebrando é o responsável pela morte de um homem com tiros na cabeça após sessão de tortura em que a vítima teve os olhos perfurados, pernas, braços e pênis amputados com uma motosserra, além de ter um prego cravado na cabeça. Somadas, suas penas totalizam mais de 100 anos de prisão e ainda existem processos pendentes de julgamento.

viuaki-025
O líder seringueiro Chico Mendes foi assassinado em 1988 em Xapuri, no Acre, a mando do fazendeiro Darly Alves da Silva. Em dezembro de 1990, Darly e seu filho Darci Alves Pereira foram condenados a 19 anos de prisão pela morte do seringueiro. Os dois fugiram da prisão em Rio Branco em fevereiro de 1993. Darly só foi capturado em junho de 1996 e Darci em novembro daquele ano. Os acusados cumpriram menos de dez anos de pena e atualmente vivem em Xapuri (AC).

viuaki-026
Julgamento dos acusados de atear fogo ao índio Galdino Jesus dos Santos, morto em 1997. Na ocasião, a vítima, que dormia em um ponto de ônibus em Brasília, teve o corpo queimado por cinco rapazes de classe média. Galdino morreu em decorrência dos ferimentos. Dos cinco jovens acusados pelo crime, um era menor e foi enviado ao centro de reabilitação juvenil do Distrito Federal, mesmo sendo condenado a um ano de reclusão, esteve no local por apenas três meses. Os outros quatro — Tomás Oliveira de Almeida, Max Rogério Alves, Eron Chaves Oliveira e Antônio Novely Cardoso Vilanova –, foram condenados pelo júri popular por homicídio doloso (com intenção de matar). Mesmo condenados a 14 anos, os quatro acusados ganharam liberdade em 2004.

viuaki-027
O casal Claudio e Lilian Meneghetti e a empregada deles, Susana Aparecida Parente Felipe, foram brutalmente assassinados em 2011 após um assalto à casa da família em Piracicaba (SP). Em 2012, a polícia resolveu arquivar o caso por falta de informações sobre os autores do crime.

viuaki-028
O governador Geraldo Alckmin acompanha o empresário Silvio Santos após sua libertação do sequestro, em 2001. Na ocasião, o apresentador e a sua filha Patrícia Abravanel foram mantidos como reféns de Fernando Dutra Pinto, que morreu em consequência de tortura e negligência no CDP (Centro de Detenção Provisória) do Belém, zona leste de São Paulo, em janeiro de 2002.

viuaki-029
Pedro Rosalino Braule Pinto, que ficou conhecido no Brasil inteiro como o garoto Pedrinho, sequestrado por sua mãe adotiva em 1986, Vilma Martins Costa, recebe o abraço dela, durante encontro que reuniu as duas famílias, em 2002. Dos 19 anos previstos como pena para a sequestradora, apenas cinco anos foram cumpridos. Em 2008, ela conseguiu a liberdade condicional e redução de pena. Atualmente, Vilma mora em Goiânia e não pode deixar a cidade sem comunicar à Justiça.

viuaki-030
O repórter Guilherme Portanova, da Rede Globo, que foi sequestrado por membros da facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital), em agosto de 2006, na região do Morumbi, em São Paulo. O repórter foi libertado após cerca de 40 horas, depois que a emissora concordou em exibir um vídeo do PCC criticando o sistema penitenciário.

viuaki-031
Silvia Calabresi Lima, 49, é detida e escoltada por policial em Goiânia. Imagem registrada em 18 de março de 2008. A empresária foi condenada por torturar garota de 12 anos que vivia com ela. Em 2008, ela foi condenada a 14 anos prisão.

viuaki-032
Mohammed D’Ali Carvalho dos Santos (Centro) é levado pela polícia após confessar ter matado e esquartejado a inglesa de 17 anos, Cara Marie Buker, em Goiânia. Imagem de 1° de agosto de 2008. No ano seguinte, em 2009, ele foi condenado a 21 anos de prisão.

viuaki-033
A cidade de Porto Ferreira (228 km de São Paulo) ficou conhecida nacionalmente há quase dez anos pela prisão de seis vereadores, acusados com penas de mais de 40 anos, pelo envolvimento com menores de idade. O primeiro jornalista a noticiar o caso, Luiz Carlos Barbon Filho, foi morto quatro anos após a denúncia.

viuaki-034
Reprodução de fotografia da carteirinha do estudante Edison Tsung Chi Hsueh, que foi encontrado morto na piscina da Associação Atlética da Faculdade de Medicina da USP, em 22 de fevereiro de 1999, promovido pelos alunos veteranos do curso de medicina para darem “boas” vindas, através de trote, aos calouros do curso. O rapaz foi obrigado a entrar numa piscina e, sem saber nadar, morreu afogado. Nenhum dos réus do caso foi punido.

viuaki-035
Em maio de 92, o líder indígena Paulinho Paiakan, 43, foi acusado de estuprar a estudante Sílvia Letícia Ferreira, na época com 18 anos. Seis anos depois, a Justiça do Pará o condenou, em segunda instância, a seis anos de prisão por atentado violento ao pudor. O crime repercutiu mundialmente já que, na época, acontecia a ECO-92, Conferência Mundial sobre Meio Ambiente, no Rio de Janeiro.

viuaki-036
Fachada da casa onde foram assassinados o advogado Jorge Toufic Bouchabki, e sua mulher, a professora Maria Cecília Bouchabki, na rua Cuba, no Jardim América, bairro nobre de São Paulo (SP), no caso que ficou conhecido como “O crime da rua Cuba”. O assassinato aconteceu na véspera do natal de 1988. Jorginho, o filho de 18 anos do casal, foi apontado como o principal suspeito e denunciado pelo Ministério Público como autor do crime, mas não houve provas que indicassem sua responsabilidade no assassinato. A polícia também trabalhava com a hipótese de o advogado Bouchabki ter matado a mulher e se suicidado. O caso foi arquivado e a arma do crime nunca foi encontrada.

viuaki-037
Roberto Agostinho Peukert Valente, 18, é transferido da Delegacia Seccional Sul para a Detenção em 7 de janeiro de 1985. No dia anterior ele matou a tiros e facadas a família (pai, mãe e três irmãos, o mais novo com oito anos) no sobrado onde viviam na rua José Vieira Neto Leme, na Vila Santa Catarina, zona sul de São Paulo (SP). Começou negando a autoria do crime, mas acabou confessando. Em 1987 foi condenado a 25 anos pela chacina, mas a Justiça decidiu interná-lo em um manicômio judiciário.

viuaki-038
Nove integrantes da banda baiana New Hit e um policial militar são acusados de abusar sexualmente de duas adolescentes de 16 anos. O crime teria ocorrido em agosto de 2012, depois de um show do grupo na cidade de Ruy Barbosa (323 km de Salvador). Segundo a versão apresentada pelas adolescentes, elas teriam sido violentadas sexualmente dentro do ônibus do grupo após terem ido pedir um autógrafo. Os integrantes da banda, que chegaram a ficar presos 38 dias, negam o crime.

viuaki-039
O jornalista e blogueiro Décio Sá foi assassinado com seis tiros à queima roupa em um restaurante na avenida Litorânea, em São Luís, no Maranhão, por volta das 22h30 de 23 de abril de 2012. Em seu blog, o jornalista era crítico a políticos e empresários maranhenses. Ele foi morto pelo pistoleiro Jonathan Sousa, 24. Os mandantes do assassinato foram: José de Alencar Miranda Carvalho, 72, Gláucio Alencar Pontes Carvalho, 34, e Airton Martins Monroe, 24. Os acusados de matar o jornalista desviaram R$ 100 milhões no Maranhão, segundo a polícia. O esquema teria sido descoberto pelo jornalista e seria logo denunciado em seu blog, mas ele foi morto antes disso.

viuaki-040
Goleiro Bruno Fernandes chora durante seu júri no fórum de Contagem (MG), em março de 2013; ele foi condenado a 22 anos e três meses pela morte de Eliza Samudio.

viuaki-041
O ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, chora no último dia de seu julgamento, em 27 de abril de 2013. Bola foi condenado pelo Tribunal do Júri de Contagem (MG) pelo homicídio duplamente qualificado e ocultação do cadáver de Eliza Samudio, ex-amante do goleiro Bruno Fernandes.

viuaki-042
O pagodeiro Evandro Gomes Correia Filho, acusado de ter provocado a morte da ex-mulher e de tentar matar o filho, em novembro de 2008. Ele será julgado após ficar foragido por quase cinco anos. Ele nega participação no crime. De acordo com o Ministério Público, Correia Filho foi responsável pela morte de Andreia Cristina Bezerra Nóbrega, 31. Ela e o filho caíram do terceiro andar do prédio onde moravam, no Jardim Santa Mena, em Guarulhos. Segundo a promotoria, ela teria jogado a criança e se jogado após Correia Filho cortar a mangueira do gás e ameaçar explodir o apartamento. Andréia morreu na hora e o menino sobreviveu.
Fonte: bol.com.br
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial