quinta-feira, outubro 24, 2013

Estudar para a Universidade e para os concursos públicos ao mesmo tempo: Mito ou verdade?

Com certeza esse deve ser um dos maiores questionamentos que não só os acadêmicos de direito fazem, mas também qualquer outro Universitário que tenha uma imensa vontade de ingressar no mercado de trabalho o quanto antes. A questão é: É possível estudar para os dois ao mesmo tempo?

Tudo começa pelo primeiro pilar de toda essa conversa: Você vai conseguir lidar com essa dupla rotina? A primeira pergunta que deve ser feita é essa. A segunda logo em seguida deve ser a seguinte: Qual é a minha prioridade? O que você realmente quer da vida? Você tem disciplina suficiente para cronometrar as horas de estudos para as provas de seu curso e dos concursos públicos?

A primeira dica que dou é que não aconselho nenhuma estudante de Direito ou de sei lá o que a manter essa rotina antes de completar um ano ou 1/2 de curso. Essa é a fase mais importante na minha opinião pelo fato de que é nela que você construirá toda a sua base teórica a respeito de seu curso superior. Valorize esse momento, adapte-se à sua nova rotina de estudos.

A partir do segundo ano (4º semestre) eu aconselho a começar a TENTAR manter essa rotina dupla. Agora nesse estágio você já faz ideia de como é a vida universitária e de suas necessidades de estudo. A partir desse semestre você dá um pause na teoria e começa a estudar mais a vida prática como por  exemplo penal II no quesito dosimetria de pena, já que em penal I você estudou aqueles princípios penais (Legalidade ou reserva legal, subsidiariedade, extraterritorialidade... lembrou?)

Se você quer estudar para concursos (jurídicos) a partir desse estágio é bom lembrar que boa parte do que vai cair no concurso você já viu na Universidade. Por exemplo: Nos concursos de técnico judiciário só caem noções básicas das disciplinas= Noções de civil (civil I), noções de constitucional (I), noções de penal (penal I) e assim sucessivamente. É claro que algumas você não viu ainda como administrativo, eleitoral (no caso do TRE), trabalho e processo do trabalho (no caso de TRT) e processo penal (no caso do TJ), mas é perfeitamente possível que você encaixe elas em sua grade de estudos rotineira. Quem vai dizer se você poderá ou não fazer isso é a sua disciplina.

Mas e se não conseguir? Não tem problema. Lembre-se que o mais importante, teoricamente e nem pra todo mundo, é a graduação. "Às vezes as pessoas até querem manter essa rotina entretanto não possuem tempo nem R$R$R$R pra isso" A maior desculpa é essa. Se você pensa que pode manter essa vida dupla... arrisque! Monte uma grade de estudos que contenha todas as disciplinas e boa sorte. Se não der, lembre-se que com o fim da graduação você não terá outra opção a não ser estudar pra concurso ou OAB, mas terá mais tempo para estudar sem aquela cobrança de nota. 

Quem vai dizer se é mito ou verdade é sua consciência, ela sabe o que faz.

Se falta de tempo realmente fosse uma justificativa para não se realizar algo, somente os desocupados teriam sucesso. Tempo é questão de prioridades!


Boa sorte estudante concurseiro(a). 

Vídeo da semana

Entre em contato

Nome

E-mail *

Mensagem *