4.21.2014

Novas regras para criação de curso de direito serão definidas em seis meses




Acordo de cooperação técnica entre o Ministério da Educação e a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) adia por seis meses a apresentação da nova política regulatória do ensino jurídico no país. Há mais de um ano, o governo federal suspendeu a análise de criação de cursos de direito a fim de estudar regras mais rigorosas para garantir a qualidade do ensino ofertado. Instituições de ensino superior reclamam, contudo, de que não participaram do debate das propostas.

Segundo a OAB, as discussões se deram em audiências públicas e, por isso, receberam contribuições da sociedade civil e das próprias escolas. “A gente promoveu 32 audiências públicas, ao menos uma em cada estado. Nós reunimos 4 mil participantes. Foram convidados professores, escolas de ensino superior, mantenedoras, Ministério Público, MEC”, detalha o presidente da Comissão Nacional de Ensino Jurídico da OAB, Eid Badr. Inicialmente, a previsão era que os resultados fossem apresentados no prazo de um ano, a partir de 22 de março de 2013, quando foi assinado o termo. A estimativa, agora, é que as novas regras sejam definidas no segundo semestre deste ano.

Como resultado das audiências, a OAB protocolou no ministério um documento com propostas para aprimoramento do marco regulatório do ensino jurídico. O grupo de estudos composto por representantes do MEC, da OAB, do Ministério da Justiça e de entidades representativas do ensino superior se reúne nos dias 24 e 25 para definir as proposições que devem ser encaminhadas para o crivo do Conselho Nacional de Educação (CNE). Somente o colegiado federal tem poder de implantar novas regras para a criação de cursos de direito e definições curriculares.

No documento enviado ao MEC, a OAB propõe, por exemplo, que a prova da entidade, conhecida como Exame da Ordem, passe a ser instrumento de avaliação das faculdades de direito, em especial, na renovação do reconhecimento dos cursos. Se a medida for aprovada pelo CNE, centenas de cursos correm o risco de serem fechados. Na última prova da OAB, apenas 14% dos candidatos foram aprovados.

Fonte: Diário de Pernanbuco

Se sua Universidade aprova muito pouco na OAB você está correndo sério risco de não conseguir se formar não tendo o diploma validado pelo MEC e não estou brincando. Fiquem atentos galera, isso é sério. Talvez uma transferência externa seja a solução mediata por enquanto. Veja o desempenho de sua IES clicando aqui.

5 comentários:

  1. Infelizmente a maior parte da culpa é dessa turma do Boteco

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Digamos que eles sejam apenas um dos responsáveis por esse feito.

      Excluir
  2. Muito serio isso, bom assim veriamos quem sao os verdadeiros estudantes e os alunos que so estao fazendo volume no exame.

    ResponderExcluir
  3. Tem muitos professores que São culpados pois estou no 3 período e muita coisa que está sendo cobrado em algumas materia os professores de 1e 2 período não se aprofundaram e nem deram o assunto!

    ResponderExcluir
  4. É louvável a atitude da OAB,mas gostaria de saber quantos advogados,se formaram em faculdades que a nota era ruim,e são bom profissionais.Além de que se essa medida for adotada,vejo que o curso de direito ficará restringido a uma pequena minoria.

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário.

Diário de um estudante deDireito

No ar desde 2012 e com mais de 10 milhões de acessos, o @diariojurista figura como um espaço virtual para a comunidade acadêmica e não acadêmica também. Com textos objetivos e com linguagem simples, visa compartilhar informações, resumos, notícias, dicas e troca de ideias a quem por elas se interessar. Quem escolheu o Direito será um eterno estudante.




Postagens recentes

recentposts

Não deixe de conferir

randomposts