Em nossa vida acadêmica, leia-se jurídica, os debates e argumentações são frequentes e muita...

Debate: O limite entre discordar e faltar com respeito

By | quinta-feira, maio 22, 2014


Em nossa vida acadêmica, leia-se jurídica, os debates e argumentações são frequentes e muitas vezes perdem o foco por falta de observância de nós que estamos debatendo. O problema é: Como não perder o foco de um debate jurídico ou não?

1. Deixe isso de "não concordo nem discordo, muito pelo contrário" apenas pra zuar. 

Cada discussão possui suas nuances e formas. Se o seu debate é mais leve e você percebe que dá pra debater argumentando humoristicamente, vá fundo! Até porque o humor é uma das maiores formas de criticar cujo interlocutor as vezes nem percebe que recebeu uma crítica. Olá ironia, bjos.

Porém, se você perceber que é algo bastante formal, deixe essas piadinhas de lado. Isso pode acabar jogando por terra toda e qualquer tentativa de você conseguir chamar a atenção dos ouvintes de seus argumentos. Cada caso é um caso e quanto mais sério ele for, mais formal você tente ser. Até porque mais tarde você, futuro(a) advogado(a), não vai defender seu cliente nas alegações finais contra o MP assim: "Tá tá de zuera comigo dotô? Meu réu não sabe de nada, ele é inocente? Entendeu, ordinário? Hã? Hã? Sacou? hahahahahahaha" ~~Silêncio fúnebre no tribunal e causa perdida pro nobre doutor que tentou ser engraçado num momento digamos que inapropriado~~

2. Rocambole só presta p/ comer, não pra convencer: Não seja enrolado(a)!

Essa é clássica. Você joga seu argumento para ver no que vai dar ai vem a outra parte (leia-se: Quem discorda de você) e manda um belo de um sermão cansativo e sonífero e no final de tudo, aos 49 do segundo tempo, diz o que pensa a respeito. Entretanto falou tanto e não disse nada. Evite isso! Se for pra mandar uma senhora contrarrazão que seja uma contrarrazão! Não discorde simplesmente por discordar, isso é coisa de hater/invejoso(a)/recalcado(a) ou seja lá como isso se chama atualmente. 

Seja direto(a). Não concorda com o ponto X que Mévio disse? Por quê? O que te levou a isso? O que você leu que te fez pensar diferente? Contribua com a argumentação com fundamentações que sejam úteis para todos. Não tem coisa mais linda que um debate no qual duas pessoas pensam diferente, porém argumentam com tamanha excelência que você fica sem saber p/ qual lado você irá fornecer seu livre convencimento motivado. Mas lembremos que temos que ter uma posição também. Por mais que os argumentos de quem discorda de você sejam bons, mostre que os seus são melhores ou pelo menos tente. Você pode não ganhar o debate, mas pode ganhar novas ideias a partir de quem discorda de você com razão e coerência.

Além disso, vale a pena lembrar que o menos as vezes pode ser mais. Sabemos que atualmente ninguém,  mas ninguém mesmo, tem tempo sobrando pra passar ouvindo uma hora de argumentação que poderia ser facilmente dita em 15 minutos. Sem contar que muita coisa vai ser esquecida nesse tempo. Então quanto mais direto(a) você for, melhor. E direto é atacar os pontos principais do argumento que você discorda, não significa que é pra resumir tudo. Se sua argumentação necessita de muito tempo pra ser arguida então use todo tempo possível. Sabemos que tudo vai depender do caso concreto. Mas o simples as vezes é muito mais sofisticado.

3. Nem sempre o(a) melhor vence, acostume-se com isso e evite dores de cabeça desnecessárias

Infelizmente algumas discussões no decorrer do calor da emoção acabam perdendo totalmente o sentido inicial. Sendo assim, quando você notar que a parte contrária está mandando bem numa argumentação que jamais foi foco do seu debate e de seus argumentos é melhor fazer do silêncio sua melhor resposta. Deixe ele(a) achar que conseguiu quebrar sua fundamentação/lógica/defesa, você sabe que isso não ocorreu e isso é o que importa no final das contas. Deixe que os ali presentes pensem o que quiserem, se nem Jesus (para quem acredita nele) conseguiu agradar a todos, quem somos nós pra fazermos isso? 

Quem garante que os ouvintes também não saíram do foco e estão achando que o(a) fulano(a) tá certo e você tá errado(a) mesmo você sabendo que ele(a) está fazendo papel de privada falante? Será que isso merece sua atenção e energia? Deixa ele(a). Porém, isso é pra um debate apenas! Em casos judiciais recursos estão ai pra você rir por último, não se preocupe. Logo, não esquente se você não se sair bem  num debate sem sentido porque no final ninguém sairá ganhando mesmo, embora aparentemente você tenha perdido. APARENTEMENTE. Quem vive de aparência é modelo, você é jurista, então bola pra frente. 

4. Partiu para o lado pessoal: Não entre nessa onda, isso é a prova de que você ganhou. 

Geralmente pessoas quando não têm mais argumentos para ir de encontro aos seus argumentos partem logo para a baixaria tentando baixar o nível da discussão. Pense comigo, se nem argumentos mais a pessoa tem e começa a te ofender... Vale a pena manter a discussão? Você já conseguiu mostrar onde está a razão e, caso não tenha conseguido, o mal educado da relação conseguiu mostrar sem querer. O problema disso é saber diferenciar quando um argumento te ataca pessoalmente ou se realmente aquilo atacou o que você disse. Então preste atenção no que vai dizer para que você não acabe sendo mal interpretado.

Se nas redes é assim, imagina na vida real!

Inclusive os erros de interpretação na minha humilde opinião são os fatores que mais causam debates sem sentido para mostrar quem é o dono da verdade. Mas desde quando a verdade tem dono? Isso não seria uma convicção íntima de cada um de acordo com seus princípios pessoais? Então.

5. Quem faz o limite entre a discordância e a falta de respeito é você

Já dizia o grande pensador contemporâneo Hans Kelsen: Dois não brigam se um não quer. Se você tá vendo que nada de produtivo vai sair de uma discussão, pra quê colocar mais lenha na fogueira? Pra ficar de cabeça quente e acabar muitas vezes fazendo ou sofrendo besteiras advindas da ignorância humana? Infelizmente nem todos estão preparados para ouvir a verdade, ou pelo menos as suas verdades, até porque isso é muito íntimo de cada um. Embora aparentemente deixem entender que preferem a verdade, sabemos que não é bem assim na prática. Por mais que você tenha dados incontestáveis e argumentos dignos de aplausos de pé, infelizmente sabemos que algumas pessoas ouvem o que querem ouvir, embora os fatos estejam ali diante de todos e mais óbvios do que saber que paçoca de amendoim é a melhor coisa do mundo. É a vida! Porém, não podemos generalizar... Existem inúmeras discussões nas quais realmente sai algo proveitoso, essas valem a pena o seu investimento temporal e psicológico. Todo mundo tem algo a dizer, cabe a você filtrar o que te dizem e debater quando achar necessário.  

Quer um exemplo jurídico, já que estamos num blog de direito? As famosas jornadas. Experimente ir à uma, depois me conta o que achou! Da mesma forma que uma jornada pode trazer ótimas interpretações jurídicas, uma conversinha na fila na pão francês de manhã pode trazer outras soluções para seu bairro; Da mesma forma que um professor pode tirar uma dúvida; Uma discussão num grupo de estudos no facebook pode criar e solucionar mais dúvidas ainda. Basta você querer. Tudo está em suas mãos. Que responsabilidade, hein? Boa sorte pra nós. 
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial