Imagem: Reprodução/Internet Olá amigos(as) (especialmente os calouros, rs)! Depois de um t...

Dicas para calouros(as): Parte 2

By | sábado, março 28, 2015
Imagem: Reprodução/Internet
Olá amigos(as) (especialmente os calouros, rs)! Depois de um tempinho considerável desde que postei aqui a parte 1 das dicas para calouros, recebi muitas mensagens agradecendo e pedindo continuação. Ontem, uma participante de nosso grupo de estudos no facebook - caloura -, pediu dicas iniciais de acordo com nossas impressões do curso. Pois bem, aproveitei o ensejo das palavras que disse à ela e deixarei registrado aqui, conforme vocês verão a seguir. Espero que seja útil que auxilie um pouco em relação a alguns pontos no curso. Caso queiram posso fazer uma continuação também.

Sem mais delongas, vamos lá:

1º Tenha consciência de que o curso é horrivelmente mal frequentado. Quase 90% dos estudantes de Direito brasileiros não passam sequer no exame da OAB, que não tem concorrência e que passa com a média. Isso significa uma coisa: Todo cuidado é pouco quando o assunto é receber conselhos de veteranos de direito. Você não sabe se ali é um projeto de fracassado quer quer pagar de bonzão por ter mais tempo de curso que você ou se realmente é alguém competente e que de fato quer te ajudar.

2° O curso é um dos mais democráticos. Não espere que todos que estejam a sua volta sejam detentores de notável saber jurídico e de reputação ilibada. Da mesma forma que você irá encontrar analfabetos funcionais, irá encontrar também gente muito boa no que faz - esses são minoria, mas existem. Se possível é interessante que vc pegue dicas com eles sobre o que a sua Universidade tem de potencial pra te ofertar.

3º Não espere nada de ninguém. O curso é feito por você. Você pode sair com uma base muito boa de conteúdo teórico e prático (prático: Faça estágios, de preferência os que exigem concurso, mas não jogue a oportunidade de estagiar em escritórios, alguns são bons) ou sair mais desinformada do que quando entrou. Infelizmente, a quantidade de desinformados formados em Direito é assustadoramente considerável. Por isso estude o máximo que puder, dedique-se o máximo que puder. Não fique presa à anotaçãozinha de caderno de assunto que cai na prova. Ali não é 10% do assunto em sua totalidade. Mas se quiser fechar as provas basta ler o caderno. Por isso, tenha em mente que nota não mede capacidade

4º A biblioteca não tá lá de enfeite, use-a sempre que achar necessário. Pra achar necessário não precisa ser apenas para pegar livros de sua grade. Bateu curiosidade em ler um clássico que não é abordado em sua grade do semestre? Leia! Isso só incrementa ainda mais sua bagagem cultural. Não fique preso(a) às matérias de sua grade.

5º Cola é atestado de incapacidade, não faça isso. Se não tem competência pra estudar um assunto passado em no máximo dois meses, com o professor ditando tudo e com livros e vídeos na internet à disposição e gratuitamente, é melhor repensar nos motivos que te levaram a escolher o curso.

Organização é a palavra de ordem. Ninguém tá dizendo pra ser rato de biblioteca ou viver em cima dos livros, mas isso não significa que você não irá fazer nenhum sacrifício em prol dos estudos. Em alguns momentos alguns eventos podem ter choque de horário, o que vai definir pra qual você irá priorizar será o foco e o objetivo que você tem no curso.

7º Existem inúmeras profissões nas quais o bacharel em direito pode exercer. Não deixe para os 45 do segundo tempo a pesquisa sobre elas. Durante a faculdade vá pesquisando e vendo o que você quer exercer, caso você não tenha entrado com um objetivo fixo em relação à sua carreira profissional. Mesma coisa para a OAB, o ideal é não escolher em cima da hora. Veja das 7 (acho que são 7 ou 6) disciplinas que são abordadas na segunda fase qual mais te agrada. Quer saber como? Estudando todas. De todas as matérias cobradas na segunda fase da OAB, a que você vai ver por último é tributário (as outras: trabalho, penal, civil, constitucional, empresarial e administrativo você vê até o 4º ano). Então estude com disciplina e foco todas essas cadeiras (algumas como constitucional você já verá no primeiro ano de curso) pra não chegar no final e ficar sem saber se casa ou compra uma bicicleta.

8º É interessante que você jamais se deixe levar pelo cansaço e use a motivação ao seu favor. O efeito de um banho não dura pra sempre, a motivação não seria diferente. Você passará por momentos fodas msm, de raiva e estresse e aquela vontade de jogar tudo pro alto e ligar o foda-se como se não houvesse amanhã. Mas relaxe, isso passa. Com o tempo você verá o quanto a palavra RESILIÊNCIA é importante não só pra vida no direito mas pra vida como um todo.

Não deixe de ser humilde, lembre-se que quem será objetivo passivo de nossa jurisdição como aplicadores do direito são pessoas que justamente tiveram algum direito lesado e que, muitas vezes, nem sequer sabiam que tiveram um direito lesado. Se até alguns acadêmicos não sabem de direitos básicos, imagina quem nem teve a oportunidade de ingressar num curso de graduação. Então valorize a oportunidade.

10º Seja você. Não tente montar um mosaico de comportamentos e dogmas que até vc mesma julgue necessários pra sua personalidade como estudante e futura operadora do direito. Uma das coisas mais fantásticas que temos no nosso ordenamento é justamente a diferença de pensamentos, comportamentos e ideologias. Mude suas folhas, mas não suas raízes. Deixe um toque do seu "eu" em tudo que fizer, não estamos nesse jogo pra servirmos e papagaio de pirata - pra ficar repetindo o que nos foi ensinado. Mas sim para, a partir das lições aprendidas, planejar e executar soluções para os problemas atuais. Quem não senta pra aprender, não fica de pé pra ensinar. Boa sorte!

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Caso precise de alguma informação em especial, ou de algum material ou até mesmo queira conversar é só me mandar um email diariojurista@gmail.com ou entrar em contato na caixa de mensagem na barra lateral do blog. Vamos juntos. 
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial