12.31.2015

Resenha do livro Mídia e sistema penal (especial fim de ano)



Olá pessoal! Cá estamos nós com novo post no último dia de 2015! Quero desde já desejar um excelente ano novo para todos nós e que façamos de 2016 um ano incrível!

Bom, hoje falarei um pouquinho a respeito de meu último livro lido neste ano que se finda: Trata-se da obra de Marcus Alan Gomes, PHD em Direito. A obra que será aqui resenhada é o resultado da pesquisa do Phd do Marcus lançada pela Editora Revan - especializada em publicações da área penal, super recomendo aos penalistas de plantão. Ah, é um lançamento! Acabou de sair do forno. Enfim, vamos lá:

O propósito de Mídia e sistema penal


Escrito de forma simples, direta e objetiva não só no que diz respeito ao objetivo da obra como também durante toda a sua extensão, o autor delimita logo nas primeiras páginas o que o motivou a pesquisar acerca dessa temática.

O propósito com o qual dediquei cerca de um ano e meio de trabalho à investigação das relações que a mídia estabelece com o sistema penal foi essencialmente o de compreender como esses dois universos - o punitivo e o comunicacional - e suas interações produzem reflexos na esfera político-criminal. O crime-notícia e o crime-espetáculo transformaram-se em dentes de uma engrenagem que move o mercado da informação - onde o lucro é a meta - e que reforçam a influência do mass media sobre as agências de controle penal (criminalização primária e secundária). (GOMES, 2015, p. 09)
Além disso, como já adiantado acima, o livro é fruto da pesquisa de pós-doutorado do autor. A pesquisa foi realizada em 2014 enquanto Marcus estudava em seu PHd na Universidade de Coimbra. Durante a leitura do texto, o leitor percebe que o livro não é apenas uma obra a respeito do direito penal, mas também uma produção interdisciplinar em diversas áreas do conhecimento: Sociologia (abordagem muito interessante sobre a famosa escola de Frankfurt e a indústria cultural), Teoria da comunicação e criminologia.

Como e por que ocorrem as chamadas distorções da criminalização nos meios comunicação

Não, não se preocupe, não darei spoiler aqui. Mas, é interessante citar que para chegar à construção de uma resposta viável e completa para essa pergunta o autor dividiu em 04 capítulos os chamados componentes. São eles: Componentes sociológicos, componentes comunicacionais, componentes criminológicos e por fim os componentes político-criminais.

Como já era de se esperar, o que mais gostei foram os comentários acerca do último componente. Não que a abordagem sociológica e as demais não sejam interessantes  - muito pelo contrário porque elas se complementam - mas sim pela estruturação e abordagem do tema que se revela de necessária reflexão no tempo em que vivemos.

No capítulo IV (o livro tem 05 capítulos) o autor aborda o componente denominado político-criminal. Destaco aqui dois tópicos do capítulo: McDonaldização da mídia e a seletividade do sistema punitivo (e sua relação com o instituto da criminalização).


O resultado dessas distorções 

Considerada a perspectiva constitucional dessa correspondência, vê-se que as consequências são desastrosas: graves ofensas a princípios de contenção do direito penal, progressiva relativização de garantias processuais, fortalecimento do caráter simbólico da intervenção penal. Distorções que falam por si e revelam absoluta ilegitimidade  da criminalização midiática. (GOMES, 2015, p. 139)


O autor em sua conclusão delimita diversos problemas que se inseriram dentro do seio do direito penal em decorrência  da desastrosa parceria entre a mídia e o sistema de criminalização irracional das ciências penais.

Dentre todos os citados considero o mais danoso a simbologia criminal do direito penal. O jus puniendi do Estado é um recurso de extremo impacto e que, não por outro motivo, é tido como ultima ratio, isto é, só se aplica quando nenhuma outra medida se mostra eficaz. Agora corremos pelo lado inverso, mitigando cada vez mais a já frágil eficácia penal das normas.

O problema atual em nosso cenário sócio-criminal não reside na pouca quantidade de leis mas sim na necessidade de uma maior efetividade das já existentes. Como o autor afirma, a influência dos meios de comunicação sobre a política criminal incrementa ainda mais a irracionalidade do sistema punitivo. Precisamos sentar e conversar sobre uma maior estruturação epistemológica da ciência criminal para que possamos de fato pensar numa solução viável para esse "estado de insegurança" (que desvia o enfoque do real problema) em que vivemos. 

Recomendações de uso do livro 

Mídia e sistema penal é um livro muito bom para várias finalidades. A principal delas é refletir sobre os aspectos intervencionistas dos meios de comunicação no coração do direito penal e em sua face mais perigosa: A criminalização e sua inafastável seletividade

O livro mostra também como essa intervenção cada vez maior ocasiona o expansionismo do chamado direito penal simbólico, se você desenvolve pesquisas acerca dessa temática saiba que o livro traz diversos argumentos de autoridade sobre essa relação jurídica.

Além disso, o livro é recomendado também para pesquisas que de alguma forma correlacionem os meios de comunicação e o direito penal enquanto sistema. Da iniciação científica à tese de doutorado, Mídia e sistema penal sem dúvidas irá incrementar o seu trabalho.

Para adquirir o livro basta acessar o site da editora Revan: Clique aqui

Surpresa: Sorteio do livro para os leitores do blog!

Como essa é a última resenha de 2015 e também como forma de agradecer pela presença de vocês comigo durante esse ano, sortearei o livro que eu li, ele tem poucas marcas de lápis que podem ser facilmente apagadas e está super novo. Para concorrer é simples: Comente um número ai nos comentários entre 01 e 5.000. Você pode usar tanto os comentários via facebook quanto os comentários via blogger. O resultado sairá dia 15 de janeiro e informarei o ganhador aqui pelo blog mesmo. 

Atenção: Se mais de uma pessoa citar o mesmo número, a ganhadora será a que citou primeiro. O resultado sairá dia 15 então os comentários serão válidos até as 23:59 do dia 14 :) boa sorte e feliz ano novo!

52 comentários:

  1. Número 13, caso já o tenham escolhido, fico com 597 de segunda opção.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. 200
    Parabéns pela resenha amigo, abordagem lúcida.
    Abraço

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário.

Diário de um estudante deDireito

No ar desde 2012 e com mais de 10 milhões de acessos, o @diariojurista figura como um espaço virtual para a comunidade acadêmica e não acadêmica também. Com textos objetivos e com linguagem simples, visa compartilhar informações, resumos, notícias, dicas e troca de ideias a quem por elas se interessar. Quem escolheu o Direito será um eterno estudante.




Postagens recentes

recentposts

Não deixe de conferir

randomposts