Novas regras para criação de curso de direito serão definidas em seis meses

abril 21, 2014 5 Comments A+ a-




Acordo de cooperação técnica entre o Ministério da Educação e a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) adia por seis meses a apresentação da nova política regulatória do ensino jurídico no país. Há mais de um ano, o governo federal suspendeu a análise de criação de cursos de direito a fim de estudar regras mais rigorosas para garantir a qualidade do ensino ofertado. Instituições de ensino superior reclamam, contudo, de que não participaram do debate das propostas.

Segundo a OAB, as discussões se deram em audiências públicas e, por isso, receberam contribuições da sociedade civil e das próprias escolas. “A gente promoveu 32 audiências públicas, ao menos uma em cada estado. Nós reunimos 4 mil participantes. Foram convidados professores, escolas de ensino superior, mantenedoras, Ministério Público, MEC”, detalha o presidente da Comissão Nacional de Ensino Jurídico da OAB, Eid Badr. Inicialmente, a previsão era que os resultados fossem apresentados no prazo de um ano, a partir de 22 de março de 2013, quando foi assinado o termo. A estimativa, agora, é que as novas regras sejam definidas no segundo semestre deste ano.

Como resultado das audiências, a OAB protocolou no ministério um documento com propostas para aprimoramento do marco regulatório do ensino jurídico. O grupo de estudos composto por representantes do MEC, da OAB, do Ministério da Justiça e de entidades representativas do ensino superior se reúne nos dias 24 e 25 para definir as proposições que devem ser encaminhadas para o crivo do Conselho Nacional de Educação (CNE). Somente o colegiado federal tem poder de implantar novas regras para a criação de cursos de direito e definições curriculares.

No documento enviado ao MEC, a OAB propõe, por exemplo, que a prova da entidade, conhecida como Exame da Ordem, passe a ser instrumento de avaliação das faculdades de direito, em especial, na renovação do reconhecimento dos cursos. Se a medida for aprovada pelo CNE, centenas de cursos correm o risco de serem fechados. Na última prova da OAB, apenas 14% dos candidatos foram aprovados.

Fonte: Diário de Pernanbuco

Se sua Universidade aprova muito pouco na OAB você está correndo sério risco de não conseguir se formar não tendo o diploma validado pelo MEC e não estou brincando. Fiquem atentos galera, isso é sério. Talvez uma transferência externa seja a solução mediata por enquanto. Veja o desempenho de sua IES clicando aqui.

Advogado, pesquisador e escritor. Criador do Diário Jurista. Pode ser encontrado no Facebook, Google+, Twitter e Instagram.

5 comentários

Write comentários
Anônimo
AUTHOR
21 de abril de 2014 12:26 delete

Infelizmente a maior parte da culpa é dessa turma do Boteco

Reply
avatar
21 de abril de 2014 13:18 delete

Digamos que eles sejam apenas um dos responsáveis por esse feito.

Reply
avatar
Anônimo
AUTHOR
21 de abril de 2014 16:47 delete

Muito serio isso, bom assim veriamos quem sao os verdadeiros estudantes e os alunos que so estao fazendo volume no exame.

Reply
avatar
Anônimo
AUTHOR
21 de abril de 2014 19:38 delete

Tem muitos professores que São culpados pois estou no 3 período e muita coisa que está sendo cobrado em algumas materia os professores de 1e 2 período não se aprofundaram e nem deram o assunto!

Reply
avatar
Anônimo
AUTHOR
21 de abril de 2014 22:04 delete

É louvável a atitude da OAB,mas gostaria de saber quantos advogados,se formaram em faculdades que a nota era ruim,e são bom profissionais.Além de que se essa medida for adotada,vejo que o curso de direito ficará restringido a uma pequena minoria.

Reply
avatar

Regras dos comentários

1. Todos os comentários são lidos e se possível respondidos.
2. Não serão toleradas faltas de respeito.
3. Se possível comente e faça de nós um grupo feliz.